Início » Notícias » Cultura » A incrível história do imigrante africano que se tornou um dos mais respeitados samurais no Japão no século 16

A incrível história do imigrante africano que se tornou um dos mais respeitados samurais no Japão no século 16

A história de Yasuke, primeiro estrangeiro a virar samurai no Japão, deve se tornar o mote de dois filmes em Hollywood.

Quase 500 anos atrás, um homem alto e africano chegou ao Japão. Ele se tornaria o primeiro estrangeiro a alcançar o status de guerreiro samurai. Sua trajetória virou tema de dois filmes ainda em desenvolvimento em Hollywood.

Conhecido como Yasuke, o homem era um guerreiro que alcançou o posto de samurai sob o domínio de Oda Nobunaga – um poderoso senhor feudal japonês do século 16 que ficou conhecido como o primeiro dos três unificadores do Japão.

Em 1579, a chegada de Nobunaga a Quioto, a capital do país na época, causou tanta sensação que as pessoas subiram umas nas outras para vê-lo, segundo o historiador Lawrence Winkler. Alguns dos fãs morreram pisoteados.

Em um ano, Yasuke havia se juntado aos escalões superiores da classe guerreira japonesa, os samurais. Em pouco tempo, ele falava japonês fluentemente e cavalgava ao lado de Nobunaga em batalhas.

“Sua altura era de 6 shaku 2 sol (aproximadamente 1,88m). Ele era negro e sua pele era como carvão”. Foi assim que um colega samurai, Matsudaira Ietada, descreveu-o em um diário de 1579.

A altura média de um homem japonês em 1900 era de 1,57 m, então Yasuke teria se destacado sobre a maioria dos japoneses no século 16, quando as pessoas eram geralmente mais baixas devido a uma nutrição pior.
Virando um guerreiro

Não há registros da data ou país de nascimento de Yasuke. A maioria dos historiadores afirma que ele nasceu em Moçambique, mas alguns sugeriram outros países, como Etiópia ou Nigéria.

O que se sabe, no entanto, é que Yasuke chegou ao Japão com um jesuíta italiano chamado Alessandro Valignano em uma excursão de inspeção, e aparece na história escrita apenas entre 1579 e 1582.

Alguns especialistas dizem que ele era escravo, mas é difícil dizer com certeza.

Floyd Webb e Deborah DeSnoo, cineastas que trabalham em um documentário sobre Yasuke, acreditam que afirmações de que ele era um escravo não passam de especulação, na melhor das hipóteses.

Os samurais frequentemente iniciavam seu treinamento na infância.
Amizade com o ‘senhor da guerra’

Yasuke conheceu Nobunaga logo após sua chegada ao Japão e despertou o interesse do chefe samurai, dizem os cineastas. Isso porque ele era muito bom de conversa.

Yasuke já falava japonês e os dois se deram bem, de acordo com o acadêmico Thomas Lockey, que escreveu um livro sobre o samurai negro. Já Webb acredita que, devido ao seu domínio da língua japonesa, Yasuke teria sido visto de maneira favorável pelos japoneses.

“Ele era diferente dos jesuítas, que tinham uma agenda religiosa para o Japão”, diz Webb.

Há relatos de que Nobunaga instruiu seu sobrinho a dar a Yasuke uma quantia em dinheiro durante o primeiro encontro entre os dois.

O escritor franco-marfinense Serge Bile ficou tão intrigado com a extraordinária ascensão de Yasuke que escreveu um livro sobre o guerreiro. “Faz parte do mistério que cerca esse personagem. É por isso que me fascina”, disse Bile à BBC News.

O guerreiro africano e o “senhor da guerra” japonês tinham muito em comum.

Nobunaga era um grande fã das artes marciais e passava muito tempo praticando exercícios. Ele também era uma pessoa excêntrica, que, segundo Webb, usava roupas de estilo ocidental e procurava a companhia de pessoas altamente disciplinadas e inteligentes.

“[Yasuke] carregava o espírito guerreiro”, diz Webb. Ele entendeu a linguagem cultural do Japão e adorava dançar e tocar Utenzi – uma forma histórica de poesia narrativa suaíli que celebra atos heróicos, acrescenta Webb. Isso sugere que Yasuke poderia ter nascido em Moçambique, como alguns historiadores acreditam, dado que o suaíli ainda é falado em algumas partes do norte do país.

Da mesma forma, Nobunaga era um apaixonado por Noh Drama – uma forma de drama musical japonês clássico. Também é amplamente divulgado que ele era um patrono das artes.

Nobunaga gostava de Yasuke e o tratava como família – o africano estava entre um grupo muito seleto de pessoas autorizadas a jantar com ele.

“Nobunaga elogiou a força e a estatura de Yasuke, dizendo que ele tinha a força de 10 homens”, diz DeSnoo.
‘A lenda ainda vive’

Quando Nobunaga concedeu o posto de samurai a Yasuke, a ideia de um guerreiro que não fosse japonês era algo inédito. Mais tarde, outros estrangeiros também obteriam o título.

Como primeiro samurai estrangeiro, Yasuke participou de várias batalhas importantes ao lado de Oda Nobunaga.

Ele também estava presente na noite fatídica em que um dos generais de Nobunaga, Akechi Mitsuhide, virou-se contra o líder e o trancou em uma das salas de seu palácio. Nobunaga terminou sua própria vida realizando seppuku, um ritual de suicídio.

Antes de se matar, ele pediu a Yasuke para decapitá-lo e levar sua cabeça e a espada ao filho, segundo o historiador Thomas Lockley. Foi um sinal de grande confiança.

A lenda de Yasuke termina pouco depois disso, em 1582. A queda de Nobunaga pelas mãos de um general traidor resultou no exílio do primeiro samurai negro – possivelmente ele voltou para uma missão jesuíta em Quioto.

Embora seu destino e os últimos anos de sua vida permaneçam desconhecidos, Yasuke viveu na imaginação de muitos japoneses que cresceram com o livro infantil premiado Kuro-suke (kuro que significa “negro” em japonês), escrito por Kurusu Yoshio.

O livro, que dramatiza a vida de Yasuke, termina com uma nota agridoce: depois que Nobunaga se mata, Kuro-suke (Yasuke) é levado para um templo onde sonha com seus pais na África e chora.

Em maio, a revista entretenimento Variety informou que o ator Chadwick Boseman, protagonista de Pantera Negra, deve interpretar Yasuke em um próximo filme.

Será o segundo filme de Hollywood em desenvolvimento sobre a vida de Yasuke.

Em 2017, o estúdio Lionsgate anunciou que estava desenvolvendo um longa sobre a vida do samurai negro.

Quase 500 anos depois, sua trajetória incomum para a época continua a admirar e inspirar as pessoas.

Naima Mohamud – Da BBC News

SE INSCREVA E ATIVE O SININHO NO NOSSO CANAL NO YOUTUBE

 

 

Veja Também

Previsão do tempo, Cotações e muito mais por Marlene Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *