Início » Destaque Geral » Às vésperas da decisão sobre adoção da proteção de cabeça na F1, Räikkönen testa modelo ‘Halo’ em Barcelona

Às vésperas da decisão sobre adoção da proteção de cabeça na F1, Räikkönen testa modelo ‘Halo’ em Barcelona

A quinta-feira (3), sétimo dia de testes coletivos de pré-temporada em Barcelona, marcou a primeira vez que um piloto da F1 andou com as novas proteções de cabeça que a FIA pretende adotar a partir da temporada 2017. O trabalho foi feito pela Ferrari no início da manhã para que Kimi Räikkönen desse duas voltas protegido pelo ‘Halo’.
De forma inesperada, já que ninguém esperava ver o Halo em ação por enquanto, Räikkönen apareceu com ele no #7. A proteção tem uma coluna única fixada bem à frente da cabeça do piloto e mais grossa do que se mostrava aparentemente nas simulações. O Halo é preso por duas hastes nas laterais do carro e a parte de cima funciona como uma auréola.
O Halo é a alternativa possível para o momento, embora encontre seus opositorescomo Lucas Di Grassi, por exemplo. Além da FIA e das equipes, a proposta também tem o apoio da Associação de Pilotos da F1. O presidente da GPDA, Alex Wurz, já se manifestou várias vezes a favor do Halo.
“Talvez no futuro nós passemos para o cockpit fechado, tipo jatos, mas é muito pesado no momento, muito caro também. Precisa de mais tempo para ser instalado. Talvez isso aconteça por causa de outros aspectos interessantes, mas os especialistas e pilotos concordam que o Halo precisa entrar na jogada. Esperamos que todos os diretores concordem e que seja apenas uma formalidade na sexta-feira”, disse ao site norte-americano ‘Motorsport.com’.

PRIMEIRA IMPRESSÃO

Halo até pode ser seguro. Mas é simplesmente horrível

“Há muitas coisas a discutir, e uma delas é a proteção ao impacto frontal da cabeça. Mas eles precisam estar bem informados da pesquisa que foi feita. Está na discussão de segurança, então, ao menos em teoria, a FIA poderia decidir sozinha, mas necessita de uma mudança estrutural aos chassis. Claro que é algo de compete a todo mundo envolvido”, encerrou.
A referência de Wurz à próxima sexta-feira é por conta da reunião do Conselho Mundial de Automobilismo, que vai definir se a proteção passa ou não a ser oficial em 2017. Mesmo sem a Ferrari usar todas as mudanças necessárias ao chassi para a adoção do Halo, a opinião de Räikkönen certamente será fundamental na decisão que vem por aí.

Após as primeiras voltas de instalação, a Ferrari, por meio de um porta-voz, afirmou que o objetivo do teste com o ‘halo’ foi avaliar a visibilidade. De acordo com Raikkonen, “não é tão ruim”. O modelo, ainda segundo a equipe italiana, foi feito em fibra de carbono.

Veja Também

Entrevista exclusiva com Luciano Lima, ex-candidato a deputado federal

Em entrevista ao Portal, Luciano Lima diz, entre outras coisas, como foi sua campanha e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *