‘Bactéria comedora de carne’ se espalha rapidamente no Japão: “Mortal”

O Japão está lidando com um crescimento nos casos da síndrome do choque tóxico estreptocócico (Stss), provocada por uma bactéria que pode causar necrose de tecidos, ganhando a alcunha de “carnívora”. De maneira equivocada, alguns indivíduos têm se referido ao agente infeccioso como “vírus comedor de ânus”, uma denominação sem fundamento científico, já que vírus e bactérias são entidades biológicas distintas.

A grave condição observada no Japão está frequentemente ligada a infecções por estreptococos do grupo A (Streptococcus pyogenes). A taxa de mortalidade atual da doença é estimada em 30%, gerando alarme e preocupação no país.

No ano de 2023, o Japão registrou 941 casos da síndrome do choque tóxico estreptocócico. Nos primeiros três meses deste ano, já foram registradas 517 infecções. Considerando apenas os dados epidemiológicos de Tóquio, foram confirmados 88 casos, em comparação com 144 no ano anterior, conforme relatado pelo jornal Japan Times.

Paralelamente ao surto, a Coreia do Norte decidiu não acolher jogadores japoneses para a quarta rodada das eliminatórias asiáticas para a Copa do Mundo de 2026, nesta semana.

Bactéria mortal no Japão

No Japão, o primeiro registro da síndrome do choque tóxico estreptocócico ocorreu em 1992, ligado à bactéria Streptococcus pyogenes. Desde então, são registrados anualmente entre 100 e 200 casos desta severa infecção bacteriana. O pico de casos ocorreu em 2019, com 894 infecções, de acordo com o Instituto Nacional de Doenças Infecciosas. Outros países, como o Reino Unido, também já enfrentaram surtos.

A bactéria pode não apresentar sintomas ou causar apenas sintomas leves em alguns pacientes, mas pode ser letal para outros. Ela tem a capacidade de necrosar os tecidos conjuntivos que revestem os músculos e se disseminar por várias partes do corpo.

Diante do aumento de casos, os profissionais de saúde recomendam que as pessoas procurem orientação médica se apresentarem dor e inchaço nos membros, além de febre.

Por que a bactéria está mais transmissível?

A razão para o crescimento dos casos da doença no Japão ainda está sob investigação. Uma das teorias envolve uma variante chamada M1UK, considerada altamente transmissível entre as bactérias estreptococos do grupo A. Neste caso, ela pode ser a causadora da atual situação, juntamente com a falta de medidas de proteção.

Como se proteger da infecção bacteriana mortal?

Este grupo de bactérias é transmitido por gotículas respiratórias, expelidas pelo nariz ou pela boca, e pelo contato direto com as feridas e úlceras dos pacientes. Entre as medidas de proteção, estão a higienização regular das mãos e, ocasionalmente, o uso de máscaras.

FONTE: terrabrasilnoticias

Check Also

Veja os erros da gestão do Governo Lula que agravaram epidemia de dengue

Fotos: Julia Prado/MS A epidemia de dengue no Brasil em 2024 é uma preocupação significativa, …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *