Bolsonaro era ‘mentor intelectual’ do 8 de Janeiro e queria ‘cupinizar’ instituições, acusa relatório de Eliziane Gama

O relatório da CPMI do 8 de Janeiro, apresentado pela senadora Eliziane Gama (PDT-AM) nesta terça-feira (17), acusa o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL-RJ) como “o verdadeiro autor, seja intelectual, seja moral, dos ataques perpetrados contra as instituições”, naquela data.

A parlamentar sugere o indiciamento de Bolsonaro por prática dolosa – ou seja, intencional – nos seguintes crimes: associação criminosa, violência política, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado. Juntas, as penas somam 29 anos.

O parecer de Eliziane Gama afirma que Bolsonaro “instrumentalizou não somente órgãos, instituições e agentes públicos, mas também explorou a vulnerabilidade e a esperança de milhares de pessoas”

Ela diz ainda no relatório que Bolsonaro se utilizou como pôde do aparato estatal para atingir seu objetivo maior: “cupinizar as instituições republicanas brasileiras até a sua total podridão, de modo a ascender ao poder, pretensamente perene, de modo autoritário”.

“O então presidente foi o responsável direto, o mentor moral, por grande parte – senão todos – dos ataques perpetrados a todas as figuras republicanas que impusessem qualquer tipo de empecilho à sua empreitada golpista”, conclui a relatora sobre Bolsonaro.

Gazeta Brasil

Check Also

Veja os erros da gestão do Governo Lula que agravaram epidemia de dengue

Fotos: Julia Prado/MS A epidemia de dengue no Brasil em 2024 é uma preocupação significativa, …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *