Dólar perde fôlego, mas sobe pelo 5º dia após S&P manter nota do Brasil

Após ter atingido R$ 3,43, o dólar reduziu o avanço na tarde desta terça-feira (28) e fechou com alta mais modesta, depois que a agência de classificação de risco Standard & Poor’s manteve em “BBB-” a nota de crédito do Brasil, mas sinalizou que o país pode perder o grau de investimento.
A moeda norte-americana avançou 0,14% frente ao real, a R$ 3,3690 na venda, acumulando alta de 6,17% nas últimas cinco sessões. Veja cotação

Mais cedo, a moeda chegou a ser cotada a R$ 3,4353, maior nível intradia desde 21 de março de 2003, quando chegou a R$ 3,46.

No mês de julho, a moeda avança 8,2% e, em 2015, acumula ganhos de 26%.

Nesta tarde, o dólar turismo chegava a custar R$ 3,78 no cartão pré-pago em casas de câmbio do país.

Segundo investidores ouvidos pela Reuters, a deterioração da nota do país já estava parcialmente embutida nos preços.

“O mercado estava esperando algo semelhante. A surpresa é que veio da S&P, e não da Moody’s”, afirmou o economista da 4Cast Pedro Tuesta, lembrando que a Moody’s está prestes a avaliar a nota do país novamente.

Tuesta argumentou ainda que a alta do dólar perdeu força à tarde após a analista da S&P Lisa Schineller dizer esperar que o cenário fiscal melhore, o que poderá evitar o rebaixamento.
Investidores já vinham demonstrado preocupação com a possibilidade de o Brasil perder seu grau de investimento, após cortes nas metas fiscais do governo deste e dos próximos anos surpreenderem e decepcionarem os mercados financeiros.

Cenário politico conturbado
O cenário político conturbado também pesa neste momento, em que o governo depende muito do Congresso – em pé de guerra com o Executivo – para aprovar as medidas de ajuste fiscal.

Nesta manhã, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, voltou a afirmar que fará todos os esforços junto ao Legislativo “para garantir a previsibilidade fiscal” e que a turbulência com o dólar é passageira.

Outro fator importante para os próximos passos do dólar é a reunião do Federal Reserve, banco central norte-americano, que termina na quarta. Sinalizações de que o Fed caminha para elevar os juros ainda neste ano podem servir de gatilho para a moeda dos EUA dar mais um salto, afirmaram operadores, uma vez que pode atrair para a maior economia do mundo recursos aplicados no Brasil.

“A verdade é que o dólar não tem motivo para cair. Qualquer queda vai ser um alívio temporário”, disse a operadora de um banco nacional.

O atual momento do mercado de câmbio também fez investidores redobrarem a atenção sobre a intervenção do Banco Central, já que a valorização do dólar tende a pressionar a inflação ao encarecer importados. O sinal mais imediato será o anúncio da rolagem dos swaps cambiais que vencem em setembro, equivalentes a venda futura de dólares.

Fonte: G1

Check Also

Lula Lança Plano Safra E Diz: ‘Se A Gente Plantar Mais, Não Vai Ter Inflação De Alimento’

Nesta quarta-feira (3), o presidente Lula (PT) afirmou no Palácio do Planalto que “se a …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *