Início » Notícias » Brasil » Francischini é o primeiro político do país a ser caçado por fake news

Francischini é o primeiro político do país a ser caçado por fake news

O deputado estadual do Paraná Fernando Francischini (PSL-PR) é o primeiro político do país a ser a perder o mandato por fake news. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tomou a decisão nesta quinta-feira (28/10) por maioria. Ele foi investigado por uso indevido dos meios de comunicação e por abuso de autoridade.

Com o julgamento, fica cassado o diploma de Francischini. O parlamentar ainda fica inelegível por oito anos, contados a partir das eleições de 2018. A decisão também prevê imediato contato com o tribunal local para que haja recontagem dos votos para o cargo de deputado estadual do Paraná, computando-se como anulados os votos atribuídos a Francischini.

O deputado bolsonarista foi cassado após investigação por uso indevido dos meios de comunicação e por abuso de autoridade. Fernando Francischini fez uma live, durante o primeiro turno das eleições de 2018, na qual afirmou, sem provas, que as urnas eletrônicas estavam fraudadas para impedir a eleição de Jair Bolsonaro (sem partido) à Presidência da República.

O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) absolveu Francischini por entender que não havia prova de que sua live tenha tido o alcance necessário para influenciar o resultado do pleito, mas o Ministério Público Eleitoral (MPE) recorreu ao TSE.

No entanto, o relator do caso, ministro corregedor-geral Luis Felipe Salomão, votou pela cassação do diploma do deputado e contestou a versão do advogado. “Para se ter uma ideia, estamos falando de mais de 6 milhões de visualizações dessa propaganda, com 400 mil compartilhamentos”, ressaltou o ministro.

Salomão chegou a ler a transcrição do vídeo em plenário. À época, Fernando Francischini disse em gravação: “A gente está trazendo essa denúncia gravíssima antes do final das eleições: as urnas estão adulteradas. Não vamos aceitar esse resultado”, leu ao levar o caso à análise. “Me chamou a atenção que essas notícias era absolutamente falsas e manipuladoras. Levou a erro milhares de eleitores”, disse o ministro.

Jurisprudência

A decisão servirá de base para os demais julgamentos futuros acerca da disseminação de fake news por políticos.

Durante a sessão de julgamento, Salomão falou sobre a transparência do voto eletrônico, evolução ao longo dos anos e constante atualização de tecnologia. “As urnas eletrônicas são usadas há 25 anos no Brasil. Elas possibilitam que 150 milhões de brasileiros exerçam seu direito ao voto com celeridade e segurança”, afirmou.

 

Fonte: Metrópoles

Veja Também

Caseiro suspeito de matar mulher, enteada e vizinho pode responder por sete crimes com penas que ultrapassam 120 anos, diz polícia

O caseiro Wanderson Mota Protácio, de 21 anos, que confessou ter matado a mulher grávida, a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *