Início » Destaque Coluna » Goiás começa a aplicar dose de reforço em idosos que vivem em abrigos a partir da próxima semana, diz Caiado

Goiás começa a aplicar dose de reforço em idosos que vivem em abrigos a partir da próxima semana, diz Caiado

O governador Ronaldo Caiado anunciou nesta quarta-feira (25) que o estado vai começar a aplicar doses de reforço em idosos que vivem em abrigos de Goiás. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, serão aplicadas doses da Pfizer em pessoas desse grupo que receberam as duas doses da CoronaVac.

“Vamos começar pelo idosos porque, segundo dados aqui do estado de Goiás, é visível o aumento de internação nesse grupo a partir do mês de julho. Tanto de internação quanto de óbito”, disse a superintendente de Vigilância em Saúde, Flúvia Amorim.

O Ministério da Saúde anunciou a aplicação da dose de reforço será oferecida para todo o país e que as doses devem ser enviadas a partir do dia 15 de setembro.

Em seu anúncio, o governador Ronaldo Caiado não especificou o dia em que a vacinação de reforço será iniciada e nem se haverá antecipação do envio da remessa de vacina ou se será usado carregamento enviado para primeira ou segunda dose. O G1 questionou a SES sobre essas informações por e-mail às 11h15 e aguarda retorno.

Caiado anunciou que, após a aplicação em pessoas que moram em instituições de longa permanência, “vamos vacinar com essa dose extra por ordem decrescente de idade”.

Goiânia informou que já tem um planejamento de como será feito a aplicação das doses, mas depende da confirmação da chegada delas para estabelecer o calendário e divulgar os detalhes.

  ORIENTAÇÕES

O Ministério da Saúde orientou a aplicar o reforço preferencialmente com Pfizer, mas também poderão ser utilizadas a vacina da AstraZeneca e Janssen. O público-alvo são idosos com mais de 70 anos e pessoas com baixa imunidade (imunossuprimidos).

A dose de reforço é indicada para os idosos que completaram o esquema vacinal há mais de seis meses. No caso dos imunossuprimidos, eles devem esperar 28 dias após a segunda dose.

Os pacientes “imunossuprimidos” incluem por exemplo, pessoas com câncer, pessoas vivendo com HIV, transplantados e outros com o sistema imune fragilizado, o que deixa o paciente mais suscetíveis a infecções.

Em Goiás, a superintendente de Vigilância em Saúde informou que, em um primeiro momento, apenas idosos em abrigos receberão o reforço. Quando todo esse grupo for atingido, será feito o planejamento para atender o restante o público definido pelo ministério.

“Não adianta o idoso sair e ir para a unidade de saúde tomar o reforço, não é assim. A partir de semana que vem, os municípios vão receber uma nova remessa e aplicarão nos idosos institucionalizados. Fechou esse grupo, aí sim daremos novas orientações para atender os demais idosos, sempre por ordem decrescente de idade”, explicou.

Mesmo os profissionais de saúde que foram imunizados com CoronaVac na mesma época em que os idosos não receberão o reforço inicialmente. “Nossa prioridade são os idosos, porque eles têm nos mostrado maior gravidade e maior número de óbitos, principalmente de julho para cá”, completou.

A superintendente disse ainda que o andamento da vacinação de primeira e segunda doses não devem ser interrompidos com a aplicação do reforço.

Fonte: G1

Veja Também

Prefeitura abre cadastro para castração gratuita de cães e gatos, em Jataí

Em Jataí, donos de cães e gatos agora podem solicitar a castração gratuita dos seus …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *