Jovem que bateu em carro e matou quatro pessoas da mesma família estava bêbado e em alta velocidade, diz polícia

O jovem de 18 anos que bateu em um carro e causou a morte de quatro pessoas da mesma família estava bêbado e acima da velocidade permitida, segundo a Polícia Civil. O motorista foi preso e deve responder por homicídio doloso, que é quando se assume o risco de causar a morte.

O acidente aconteceu na noite de sexta-feira (20), na GO-164, em Santa Helena de Goiás, sudoeste do estado. Em um dos carros estavam Gabriel Branquinho, a namorada, Stephanie Mychele Lourenço Oliveira, a mãe dela, Ereonete Lourenço Oliveira, e a avó de Gabriel, Regina Marta Ferreira.

O carro em que eles estavam era dirigido por Gabriel e, segundo a polícia, foi atingido de frente pelo carro dirigido por Luís Antônio Arantes Ferreira Tosta, de 18 anos, que invadiu a pista contrária. Ele estava acompanhado do irmão mais novo, que teve ferimentos leves. A defesa de Luís informou que não vai se manifestar sobre o caso no momento.

“A embriaguez do causador do acidente foi constatada ainda no local pela polícia. Ele estava tecnicamente embriagado e violou norma de trânsito, conduzindo o veículo acima da velocidade permitida e na contramão”, contou o delegado Adelson Candeo.

O teste do bafômetro apontou 0,56 miligramas de álcool por litro de ar expelido. Luís tirou a carteira Nacional de Habilitação (CNH) há pouco tempo e dirigia a caminhonete dos pais no momento do acidente.

“Os pais estavam viajando, ele reuniu alguns amigos em casa, tomou algumas cervejas e decidiu dar uma volta com o carro dos pais”, disse o delegado.

Ao ser levado para a delegacia, o jovem preferiu ficar em silêncio. A Justiça converteu a prisão em flagrante dele para prisão preventiva. As quatro vítimas do acidente foram enterradas em Goiânia.

Fonte:G1

Check Also

Para metade dos brasileiros o Brasil está indo na direção errada; veja números da pesquisa

Uma pesquisa recente realizada pelo instituto Genial/Quaest revelou que metade dos brasileiros acredita que o …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *