Início » Notícias » Brasil » Manifestantes protestam contra privatização da Celg em Goiânia

Manifestantes protestam contra privatização da Celg em Goiânia

A Central Única dos Trabalhadores (CUT-GO) e entidades ligadas à reforma agrária protestam nesta quarta-feira (3) contra a privatização da Companhia Energética de Goiás (Celg). Cerca de mil manifestantes, segundo a CUT-GO, e 600, de acordo com a Polícia Militar (PM), ocupam os anéis interno e externo da Praça Cívica. O protesto começou às 9h.

A manifestação é contra o leilão da estatal goiana e começou em frente à Associação Comercial, Industrial e de Serviços do Estado de Goiás (Acieg), onde uma audiência pública discutiu o assunto nesta manhã. Participantes do ato chegaram a bloquearam o trânsito nos dois sentidos da Avenida 85, mas a via foi liberada às 12h, segundo a PM. Após o fim da audiência os manifestantes seguiram para a Praça Cívica.

De acordo com o presidente da CUT-GO, Mauro Rubem, a entrada ao evento foi restrita e vários líderes sindicais, inclusive ele, ficaram de fora da reunião.

“Privatizaram até uma audiência que era pra ser pública. A população não vai aceitar calada a venda de um patrimônio que é dos goianos”, afirmou o presidente.

O Ministério de Minas e Energia informou ao G1, por meio de nota, que “a definição de entidades e órgãos a passarem pelo processo de desestatização compete ao Conselho Nacional de Desestatização (CND), colegiado vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC)”.

Em relação às distribuidoras pertencentes à Eletrobras, o comunicado informou que os atos legais que determinaram a inclusão dessas empresas no Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) foram editados nos anos de 1998 e 2000. E adiantou que o único processo que já cumpriu as diversas etapas determinadas pelo conselho e está em execução é o da Celg, cujo leilão está sendo organizado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“As demais distribuidoras foram incluídas no Programa Nacional de Desestatização (PND) há mais de 15 anos, pois a decisão de que a estatal federal assumisse o controle, em situação especial,  já foi sob a condição de desestatização posterior, e ainda não houve decisão quanto ao momento em que isso ocorrerá”.

Audiência pública
A audiência pública realizada nesta manhã teve a presença de membros do BNDES e foi marcada depois que um grupo ocupou o prédio da Secretaria da Fazenda de Goiás, contra a venda da Celg-D. Na nota enviada ao G1 na última quarta-feira, o ministério informou que o evento seria “aberto a todos os interessados”.

“Se comprometeram a discutir o assunto com a comunidade, com os sindicatos e com as classes de trabalhadores envolvidos neste processo, mas fecharam as portas, isso é uma atitude absurda”, afirmou o presidente da CUT-GO.

Policiamento
De acordo com o porta-voz da Polícia Militar, o tenente-coronel Ricardo Mendes, o trânsito da Avenida 85 foi liberado às 12h, quando a audiência pública terminou. Segundo ele, os manifestantes seguiram em direção à Praça Cívica, onde o protesto continua. Equipes da PM acompanham o ato.

A Acieg informou em nota que não participa do evento e que apenas locou o espaço para a Celg. Comunicou ainda que a Celg “tomou devidas medidas de segurança, de verificação do prédio à triagem dos participantes”.

Avaliação
A Companhia Energética de Goiás (Celg) foi eleita a pior distribuidora de energia do páis pelo segundo ano consecutivo, em 2015. Em ranking elaborado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a estatal goiana ficou em último lugar entre 36 empresas em relação à qualidade dos serviços prestados. Os números se referem ao ano de 2014.

Um dos itens analisados que contribuíram para a colocação foi o que a Aneel chama de Duração Equivalente de Interrupção (DEC), que analisa a quantidade que cada estado ficou sem energia no ano. A média do Brasil é de 17,6 horas, enquanto em Goiás o número atinge 40,2 horas – 14 minutos a mais que em 2013.

A Celg também teve um aumento de 70% no número de reclamações dos consumidores, o que totabiliza 1,9 milhão de queixas.

 

Veja Também

Mulher se afoga após acidente entre dois barcos no rio Araguaia

Uma mulher, de 26 anos, se afogou após um acidente entre dois barcos na tarde …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *