Início » Destaque Coluna » Médicos fazem live para desmistificar tratamento precoce da Covid-19

Médicos fazem live para desmistificar tratamento precoce da Covid-19

Médicos defensores do kit profilaxia para tratamento precoce da Covid-19, participaram de uma live recente, promovida pelo jornalista Alexandre Garcia. A pauta do encontro virtual foi os aspectos científicos e práticos do uso de Cloroquina, Hidroxicloroquina, corticoides, antirretrovirais, antiparasitários, dentre outros tratamentos medicamentosos para o enfrentamento ao novo coronavírus.

Na live, os médicos que estão atuando no front de atendimento a pacientes da Covid relataram a vivência e experiência com o uso profilático (preventivo) de medicamentos que vem sendo administrados em pacientes da Covid. Eles defendem que podem salvar vidas de milhares de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus com o uso dos medicamentos.

A live partiu de um movimento em que médicos apoiadores do kit profilaxia formaram grupos em redes sociais para debaterem o tema. A organizadora do grupo no Distrito Federal é a otorrinolaringologista Carine Petry. “Há muito tempo, nós médicos sempre falamos que o ideal quando temos uma patologia, uma doença, é intervir precocemente. Isso é verdade para problemas relacionados ao câncer, para problemas cardiovasculares, e isso também é verdade para a Covid-19”, afirmou a médica.

Logo na abertura da live a médica alertou para a orientação existente de que se deve buscar atendimento somente após os sintomas de falta de ar. Segundo ela, essa é uma medida arriscada devido o potencial de evolução rápido e intenso da doença. “Em muitos casos o pulmão já pode estar comprometido… em alguns casos evolui levando o paciente a falência de múltiplos órgãos”, disse ao defender o uso de medicamentos já na fase inicial da doença.

O tratamento precoce defendido pelos médicos prevê a aplicação do medicamento baseado no quadro clínico do paciente ao identificar os sintomas por até 5 dias, ou seja, sem que seja necessário ficar aguardando o resultado de testes devido o tempo que demanda esse processo, o custo e porque 38% dos testes RtPCR nasal indicam falso negativo, informou Petry. “São medicamentos seguros e que podem ajudar a evitar a mortalidade e ajudar o Brasil a melhor um cenário de pré-colapso. Medicina é ciência, mas também é arte e devemos usar do nosso conhecimento dos mecanismos fisiopatológicos da doença e agir com o que temos disponível no momento”, afirmou.

Quem também participou da live foi o médico clínico e prefeito de Porto Feliz, Cássio Habice Prado. Ele contou da experiência que ele desenvolveu na sua cidade. Desde o final de março foi feito o tratamento precoce em pacientes com sintomas leves da Covid. “Temos tratado perto de 1,5 mil pacientes. Criamos o kit e usamos durante o mês de março, abril e maio. Todos tratados precocemente não evoluíram para intubamento ou óbito. Os três óbitos que temos na cidade são de pessoas que não fizeram o uso”. contou.

O prefeito relata ainda que um dos métodos adotados na cidade é tratar com ivermectina os “contactantes” que são as pessoas que tiveram contato com algum paciente que testou positivo para doença. “Nenhum deles desenvolveram a Covid. Escolhemos uma quadra de um bairro e demos ivermectina para todos os 240 moradores. Nas quadras ao redor houve casos, nessa quadra nenhum”, relatou. “Estamos conseguindo tratar. O que nos preocupa é a procura tardia por parte dos pacientes”, diz.

A renomada oncologista e imunologista Nise Yamaguchi também apontou seus argumentos em defesa do uso da kit profilaxia. Para ela, existe muita resistência pelos que foram “contaminados”, por informações negativas sobre a cloroquina. “Aprendemos que é um medicamento importante para o tratamento precoce. Ao diminuir a quantidade de vírus na circulação o sistema imunológico pode imediatamente fazer sua defesa e ter a eliminação do vírus”, disse.

Nise Yamaguchi apontou ainda que se deve fazer os protocolos clínicos para que os resultados do uso dos medicamentos possam fundamentar estudos.

O toxicologista Anthony Wong, defende que a prevenção da Covid precisa ser tratada com muita importância. Ele defende que a a hidroxicloroquina precisa ser usada associada a azitromicina. Ele aponta que sozinho os medicamentos não tem a eficacia no combate ao coronavírus, mas juntos são eficazes. “O uso associado dos dois mostra o desaparecimento do virus em mais de 90%”, apontou.

Anthony Wong aponta que segundo dados de um estudo da OMS apontou que de 5919 mortes por Covid-19 de pacientes que usou a hidroxicloroquina, 221 foram de pessoas com cardiopatia e 65 foram por intoxicação. ” Os efeitos adversos cardiológicos não são tão importante quando avaliado. Nós sabemos porque morreram: foram pela superdosagem da hidroxicloroquina”, disse.

O médico imunologista Roberto Zeballos, que ficou famoso por sua defesa sobre a eficácia do uso de corticoide e pelos resultados que o medicamento apresentou no Pará, também compartilhou sua experiência na live. Ele relata que o uso do remédio resulta numa melhora surpreendente das lesões pulmonares observadas em pacientes infectados pela doença, logo após a administração do medicamento.

“Quando uma pessoa entra em contato com o vírus, o sistema imunológico prepara uma resposta de sete a quatorze dias. E é nesse período de infecção que uma minoria, cerca de  5%, apresenta um quadro inflamatório pulmonar. Então, chegamos a conclusão que o medicamento funcionou porque inibe a reação imunológica frente ao vírus”, disse.

Zeballos disse que foi criado um protocolo com três abordagens: na fase precoce; Na fase inflamatória; A terceira no colapso. “A experiência de sucesso que tivemos no Pará ela é completa. Depois de 15 dias usando, a curca caiu tanto que não aumentava mais os casos, foi ai que aprendi a importância de usar de forma preventiva”, afirmou.

O imunologista se disse contente porque a experiência testada por ele no Pará está sendo replicada com bons resultados em outros cantos do País. “Essas três abordagens é brasileira e funciona. Temos muito orgulho. Agora Basta ter apoio e ter autoridade de médico para prescrever”, finalizou.

Alexandra Mesquita que é cardiologista, apontou que o tratamento contra a Covid é uma corrida contra o tempo e por isso acredita que o uso profilático dos medicamentos é importante. “O grande intuito desse grupo é começar o uso desses medicamento no início da doença… O cuidado que temos que ter é no paciente cardiopata que tem uma arritmia grave. Esses paciente que tem essa contraindicação não vai tomar esse remédio. mas a grande maioria dos paciente não tem essa contra indicação.”, alerta. “Do contrário não há contraindicação do uso de hidroxicloroquina. temos que oferecer para nossos pacientes o que há de melhor disponível”, completou.

O jornalista Alexandre Garcia comentou que o modelo adotado no Brasil para enfrentar a pandemia confundiu a população. Ele avaliou que inicialmente se forçou o isolamento, que não se sustentou por muito tempo. Enquanto isso o uso de medicamentos de profilaxia também se tornou um debate politico que impedi a evolução. “Os médicos buscaram o Ministério Público com uma queixa de que não encontra os medicamentos. Eles prescrevem, mas o paciente não encontra os remédios para tratar preventivamente nos primeiros cinco dias”, apontou.

O jornalista também criticou os governadores e prefeitos por não adotar o tratamento preventivo para a doença. “O governantes foram correr para fazer contratos de compra de respiradores e de UTIs. No entanto, se esqueceram da prevenção”, ironizou.

O jornalista disse acreditar que o uso do kit profilaxia pode fazer do Brasil um exemplo para o mundo. “Com esses exemplos podemos fazer com que no ano que vem não se tenha uma nova infestação do coronavírus”.

Participaram do encontro, junto a Alexandre Garcia, os especialistas: Dra. Carina Petry; Dra. Luciana Cruz; Dr. Anthony Wong; Dr. Roberto Zeballos; Dr. Cássio Prado; Dra. Alexandra Mesquita; Dra. Nise Yamaguchi; Dr. Paulo Guimarães; Dr. Glauco Rogério; Dra. Rute Costa e Dr. Hercília Pimenta.

Veja Também

MORADORA DE CHÁCARA ENCONTRA CERCA DE 20 ESCORPIÕES EM UMA SEMANA, EM ITABERAÍ

Uma moradora encontrou cerca de 20 escorpiões em um período de uma semana, na chácara …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *