Início » Destaque Coluna » Paciente denuncia que ficou cega de um olho após cirurgia estética nas pálpebras, em Minaçu

Paciente denuncia que ficou cega de um olho após cirurgia estética nas pálpebras, em Minaçu

A empresária Alessandra Veiga Lobo Collichio Ferreira, de 49 anos, denunciou que ficou cega do olho direito após fazer uma cirurgia estética para retirada de excesso de pálpebras acima dos olhos, conhecida como blefaroplastia, em Minaçu, no norte de Goiás. Ela registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil e está processando os médicos que fizeram o procedimento.

Ela revive o trauma toda vez que se olha no espelho.

“Ficou torrado. Olha a cor que está meu olho. Eu amava tirar foto. É uma coisa que fica marcada para o resta da minha vida”, desabafa.

Em junho deste ano, o amigo da família e médico Ariano da Paz Melo convidou a empresária para passar pela cirurgia. Como ela sempre gostou de se cuidar, aceitou. Mas logo após o procedimento, ela sentiu que algo estava errado com o olho e, dois dias depois, perdeu a visão.

A Polícia Civil disse que pediu laudos periciais e só vai se pronunciar depois que receber os resultados. O médico Ariano da Paz Melo e outras duas médicas estão sendo ouvidos no inquérito.

g1 ligou nesta terça-feira (26) para a clínica Visage, em Minaçu, onde Ariano Melo atende, porém, a secretária informou que ele não vai falar sobre o caso e não pode passar o telefone do advogado dele.

O Conselho Regional de Medicina de Goiás (Cremego) informou que não foi comunicado sobre a denúncia e que orienta a paciente a entrar em contato com o conselho para fazer a queixa para que a conduta dos profissionais possa ser apurada.

Segundo especialistas, a blefaroplastia é um procedimento simples. A mesma coisa foi dita para a empresária, que marcou a cirurgia para a mesma semana. Ela lembra que não passou por consulta ou exame pré-operatório.

Conforme tinha sido combinado, uma médica de Minas Gerais foi até a cidade para realizar o procedimento. De acordo com a empresária, a oftalmologista Ana Claudia Santos Queiroz foi quem fez a cirurgia, com a ajuda do amigo Ariano e da esposa dele, a anestesista Adriana Silva Aleixo.

A reportagem não conseguiu contato com Ana Claudia Santos Queiroz e Adriana Silva Aleixo.

PÓS-OPERATÓRIO
Assim que acordou, a empresária sentiu algo errado com o olho direito.

“Senti um peso na testa. O olho repuxando e pesado. Falei: ‘Meu Deus, alguma coisa está estranha’. Fui para casa e passei em frente a um espelho. Quando olhei, meu olho estava louquinho se mexendo e eu com a cabeça quase explodindo”, explicou Alessandra Ferreira.

O marido da empresária, Eduardo Ferreira, avisou a situação para Ariano Melo. A pedido do médico, ele levou a esposa na clínica de oftalmologia Visage, onde atende. Lá, ela foi medicada por várias horas e depois mandada de volta para casa. Só que o olho não melhorava.

PERDA DA VISÃO

Alessandra Ferreira lembra que perdeu a visão dois dias depois da cirurgia. Mesmo assim, em mensagens, o médico tranquilizava o casal.

Em uma conversa, o marido pergunta:

“Ela meio que desesperou porque não enxerga do olho direito, é normal?”.

O médico responde:

“Até essa reação inflamatória exagerada desse olho diminuir, é normal sim a visão ficar bem comprometida. Mas a partir do momento que for desinflamando, vai melhorando a visão”.

Cinco dias depois do procedimento, Alessandra e o marido procuraram uma segunda opinião. Ao ver a foto de como estava o olho, um segundo oftalmologista orientou que a empresária corresse para buscar atendimento em Goiânia.

No hospital Banco de Olhos, na capital, o marido foi o primeiro a receber a notícia da cegueira da esposa.

“Resolveram entre eles tentar salvar o olho. Mas eles falaram que a visão não teve jeito porque teve descolamento de retina e perfuração na córnea”, disse o marido.

REMÉDIOS CONTROLADOS

Quatro meses depois e três cirurgias, a empresária ainda está com o olho muito vermelho e toma dois remédios controlados.

Em um laudo médico de setembro deste ano, um médico explica que o olho sofreu uma endoftalmite, uma infecção grave logo depois da cirurgia.

“Como você entra para fazer uma cirurgia simples de estética de pele no olho, perde a visão, e dois dias depois as pessoas dizem que não tiveram culpa?”, questiona o marido.

Fonte: G1

Veja Também

Caseiro suspeito de matar mulher, enteada e vizinho pode responder por sete crimes com penas que ultrapassam 120 anos, diz polícia

O caseiro Wanderson Mota Protácio, de 21 anos, que confessou ter matado a mulher grávida, a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *