Início » Notícias » Agronegócio » Preços globais de commodities alimentares recuperam em junho

Preços globais de commodities alimentares recuperam em junho

Em junho, os preços globais de commodities alimentares subiram pela primeira vez desde o início do ano, impulsionados por uma recuperação nas cotações de óleos vegetais, açúcar e laticínios. No entanto, nos mercados de cereais e carne, a maioria dos preços permaneceu sob pressão descendente em meio às incertezas do mercado impostas pela pandemia da COVID-19.

O Índice de Preços dos Alimentos da FAO , que acompanha os preços internacionais das commodities alimentares mais comercializadas, alcançou em média 93,2 pontos em junho, 2,4% a mais que no mês anterior.

A partir de julho de 2020, a cobertura de preços do Índice de Preços dos Alimentos foi ampliada e seu período base foi revisado de 2002 a 2004 para 2014-2016. Para mais detalhes sobre essa revisão, consulte o  artigo  publicado na edição de junho de 2020 do FAO Food Outlook. Um artigo de novembro de 2013 contém informações técnicas sobre a construção anterior do Índice.

O Índice de Preços de Óleo Vegetal da FAO subiu 11,3% em junho, após queda por quatro meses consecutivos. A recuperação reflete principalmente um forte aumento nos preços do óleo de palma devido à recuperação da demanda global de importação, após o abrandamento dos bloqueios relacionados ao COVID-19 em vários países, e as preocupações com possíveis contratempos na produção em meio à escassez prolongada de mão-de-obra migrante. As cotações dos óleos de soja, girassol e colza também subiram.

O Índice de Preços do Açúcar da FAO subiu 10,6% em junho em relação ao mês anterior. O aumento nos preços do petróleo deu forte apoio aos mercados de açúcar, incentivando as usinas brasileiras a usar mais suprimentos de cana para produzir etanol em vez de açúcar, afetando as disponibilidades e os preços de exportação de açúcar.

O FAO Dairy Price Index subiu 4,0% em relação a maio, marcando o primeiro aumento após quatro meses de sucessivos declínios. A demanda renovada de importações por suprimentos à vista, especialmente do Oriente Médio e Leste da Ásia, juntamente com o declínio sazonal na Europa e disponibilidade limitada de suprimentos não confirmados na Oceania, sustentaram os recentes aumentos de preços.

O Índice de Preços dos Cereais da FAO caiu 0,6% em relação a maio. A pressão descendente sobre os preços do trigo em junho deveu-se em parte às novas colheitas no hemisfério norte e às melhores perspectivas de produção em vários dos principais países exportadores, incluindo a região do Mar Negro.

O Índice de Preços de Carne da FAO caiu 0,6% em relação a maio, com média de 6,0% abaixo do valor de junho de 2019. As cotações de carne bovina e de aves caíram, em grande parte devido ao aumento das disponibilidades de exportação nas principais regiões produtoras, enquanto os preços de carne de porco registraram um pequeno aumento, principalmente na Europa, na expectativa de uma maior flexibilização das restrições de mercado do COVID-19.

Grave produção mundial de cereais para aumentar estoques

A produção mundial de cereais está pronta para atingir um novo nível recorde de 2 790 milhões de toneladas em 2020 – 9,3 milhões de toneladas em relação à previsão de maio – superando o recorde registrado em 2019 em até 3,0%, de acordo com a Oferta e Demanda de Cereais da FAO Breve , também divulgado hoje.

As previsões de produção de trigo foram aumentadas para a Índia e a Federação Russa, mais do que compensando um corte nos resultados esperados da UE e do Reino Unido.

A previsão da produção mundial de grãos grossos em 2020 também foi revisada para 1.519 milhões de toneladas, 5,7 milhões de toneladas em relação ao mês anterior, refletindo as expectativas de maiores produções de cevada na Austrália, UE e Turquia.

A previsão global de produção de arroz da FAO para 2020 está agora em 509,2 milhões de toneladas, 400.000 toneladas acima do valor de junho, refletindo principalmente as perspectivas melhores para os países da América do Sul, onde o clima propício elevou as expectativas de rendimento a todos os tempos.

Prevê-se que a utilização mundial de cereais no próximo ano aumente para 2 735 milhões de toneladas – 1,6% a mais do que a previsão do mês anterior, impulsionada principalmente por um aumento nos alimentos para animais e nos usos industriais de grãos grossos em comparação com as expectativas anteriores. Prevê-se também que a utilização mundial de arroz atinja um novo pico de 510,4 milhões de toneladas em 2020/21, 1,6% a mais que em junho, com base na expansão do uso de alimentos.

Refletindo as novas previsões de produção e consumo, a FAO agora espera que os estoques mundiais de cereais até o final das temporadas em 2021 atinjam 929 milhões de toneladas, representando uma robusta expansão anual de 6,0%. Isso levaria a proporção global de estoque de uso de cereais em 2020/21 a uma alta de vinte anos de 33,0%, destacando as confortáveis ​​perspectivas de oferta global na nova temporada.

A assistência alimentar precisa crescer à medida que a pandemia atinge a renda

Embora os conflitos e os choques climáticos continuem sendo fatores críticos que sustentam os altos níveis de grave insegurança alimentar nos países que necessitam de assistência externa para alimentação, a pandemia do COVID-19 também está causando efeitos amplos e graves, principalmente pela perda de renda, de acordo com o relatório trimestral. Relatório de Perspectivas de Culturas e Situação Alimentar , também publicado hoje.

O relatório oferece um recurso especial com resumos regionais dos impactos da pandemia.

Apesar desses problemas, a colheita global de cereais está a caminho do crescimento em todas as regiões, exceto na Europa. Prevê-se que a produção de cereais na África em 2020 aumente 1,0%, embora sejam esperadas quedas nas regiões norte, oeste e central do continente.

A previsão da FAO para a produção agregada de cereais dos países com déficit alimentar de baixa renda na temporada 2020/21 é de 492,7 milhões de toneladas, 6,0% acima da média e marcaria um quinto aumento anual consecutivo na produção. No entanto, as populações estão crescendo ainda mais rapidamente e o requisito geral de importação de cereais para LIFDCs é estimado em 73,4 milhões de toneladas, um aumento de cerca de 5% em relação ao ano anterior, o que também reflete a desaceleração da produção em vários países.

O relatório também lista os seguintes 44 países, dos quais 34 na África, que precisam de assistência alimentar externa: Afeganistão, Bangladesh, Burkina Faso, Burundi, Cabo Verde, Camarões, República Centro-Africana, Chade, Congo, Democrática República Popular da Coréia, República Democrática do Congo, Djibuti, Eritreia, Eswatini, Etiópia, Guiné, Haiti, Iraque, Quênia, Lesoto, Libéria, Líbia, Madagascar, Malawi, Mali, Mauritânia, Moçambique, Mianmar, Namíbia, Níger, Nigéria, Paquistão, Senegal, Serra Leoa, Somália, Sudão do Sul, Sudão, República Árabe da Síria, Tanzânia, Uganda, Venezuela, Iêmen, Zâmbia e Zimbábue.

Fonte:

FAO

Veja Também

MORADORA DE CHÁCARA ENCONTRA CERCA DE 20 ESCORPIÕES EM UMA SEMANA, EM ITABERAÍ

Uma moradora encontrou cerca de 20 escorpiões em um período de uma semana, na chácara …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *