Rio-2016 bancará vinda de todas as delegações mesmo com crise econômica

É um compromisso de campanha. Bancar passagens aéreas na classe econômica para todos os atletas, membros de delegação e representantes dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos do Rio-2016. Foi assumido pelo Comitê Organizador do Jogos no Brasil, faz parte do dossiê de candidatura. Agora, diante do cenário de corte de gastos, alta do dólar e crise financeira que atravessa o país, a entidade negocia com o COI (Comitê Olímpico Internacional) uma forma de cumprir com o prometido.

Serão mais de 15 mil atletas no Rio entre agosto e setembro para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos. Além disso, o Comitê Organizador também comprometeu-se em arcar com as despesas de traslados dos cavalos das provas de hipismo. Para isso, foram estabelecidos três hubs (aeroporto que serve como distribuidor de voos) na Ásia, América do Norte e Europa. E a partir desses hubs a viagem para o Brasil é bancada pela Rio-2016.

É um gasto que sairá do cofre do Comitê Organizador – ou seja, verba da iniciativa privada por meio de patrocinadores –  e não dos entes públicos (União, prefeitura ou governo do Estado do Rio). A estimativa ainda não pode ser divulgada.

“O projeto de redução das despesas do comitê é complexo. Existem compromissos que não podem ser deixados de lado. Nosso compromisso de subsídio às viagens segue de pé”, afirmou, o diretor de comunicação da Rio-2016, Mario Andrada. “Em todas as áreas que estavam acima do orçamento houve cortes. Reduzimos a perspectiva de contratações, de voluntários e até a recepção das arenas que foram construídas pela prefeitura”, acrescentou.

Quando o Rio foi escolhido em assembleia do COI para receber os Jogos, em 2 outubro de 2009, um dólar custava incríveis R$ 1,78. Hoje, está na casa dos R$ 4,03 o que fez com que a conta aumentasse substancialmente, desfavorecendo o orçamento do Comitê Organizador.

“A estimativa de custo depende da aceitação do COI e dos comitês olímpicos nacionais das nossas propostas de tarifas. Assim que eles responderem afirmativamente, poderemos divulgar. Só podemos adiantar que os subsídios são baseados na tarifa econômica mais baixa para cada destino. Mas não haverá downgrade [rebaixamento de classe de bilhete], mesmo com a crise o compromisso está mantido”, disse Andrada.

A Rio-2016 não é a primeira edição da Olimpíada que adota o procedimento de bancar as passagens aéreas de todas as delegações. A primeira delas foi Sydney-2000, segundo informou o Comitê Organizador-2016. Entre as concorrentes do Rio para receber os Jogos deste ano, Madri e Tóquio também ofereceram o mesmo subsídio ao COI.

Esta prática já havia sido adotada pelo Rio quando da realização dos Jogos Pan-Americanos de 2007. A diferença é que as passagens ficaram por conta do governo federal. Na época, a União desembolsou cerca de R$ 13 milhões em convênio, que foi contestado pelo TCU (Tribunal de Contas da União).

Fonte: Uol

Check Also

Saiba em qual situação você fica isento de pagar Imposto de Renda em venda de imóvel

Muitos indivíduos não estão cientes de que, ao vender um bem ou direito, podem estar …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *