Seca e temperaturas altas impactam zona da soja nas próximas semanas, aponta EarthDaily Agro

O Brasil continua com dois cenários distintos de clima. Nos últimos dez dias as regiões Norte, Nordeste, parte do Sudeste e a maior parte do Centro-Oeste registraram chuva acumulada entre 10% e 80% abaixo da média para o período. Já no Sul a precipitação continuou alta, com volumes de 200% a 300% acima da média em algumas regiões do Paraná, por exemplo, de acordo com o monitoramento das áreas de lavouras de soja realizado pela EarthDaily Agro, empresa de sensoriamento remoto com uso de imagens de satélites.

Os modelos europeu (ECMWF) e americano (GFS) de previsão climática mostram que a seca está se expandindo para o Centro-Oeste e Sudeste do país. A umidade do solo deve diminuir em Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Paraná, porém neste último estado a queda da umidade do solo será favorável para o progresso das operações de campo. No Mato Grosso, Goiás, norte do Mato Grosso do Sul e no MATOPIBA, a queda da umidade do solo será  motivo para preocupação. Já no Rio Grande do Sul a umidade excessiva também pode atrapalhar não só o progresso do plantio da safra de verão, como também impactar a produtividade do trigo.

Nos próximos dias uma onda de calor irá ganhar força e se expandir para quase todo o território brasileiro. O modelo ECMWF prevê temperaturas de 3°C a 5°C acima da média na maior parte do país, enquanto o modelo GFS aponta possibilidade de até 10°C acima da média para parte do Centro-Oeste e Sudeste.

No Mato Grosso, considerando os dados registrados desde o início de outubro, o volume de chuva é o menor dos últimos 30 anos, juntamente com temperaturas altas registradas de até 45 graus em alguns municípios, evidenciando condições desfavoráveis para o desenvolvimento das lavouras. O modelo europeu ECMWF mostra continuidade da seca e altas temperaturas no estado nos próximos 10 dias.

A umidade do solo das lavouras do Mato Grosso do Sul  apresentaram dinâmica distinta, com umidade do solo satisfatória no sul do estado e seca no norte. A previsão é de que a seca ganhe força e se expanda para todas as regiões do estado. Para o curto prazo não há grandes problemas, porém se a estiagem se estender até o fim do ano a produtividade será afetada.

Nos últimos 23 dias a chuva acumulada em Goiás  foi a menor registrada nas últimas três décadas, porém o índice está similar ao ano de 2022, quando não houve quebra de produção apesar da seca.  No entanto, ao contrário do ano anterior, as temperaturas ficaram acima da média nas últimas semanas, o que aumenta a evapotranspiração e resulta em queda ainda maior da umidade do solo, além de elevar o estresse térmico das plantas.

Em Minas Gerais, de acordo com o modelo GFS, a temperatura média deve ficar acima dos 35°C pelos próximos 12 dias.Já o modelo ECMWF prevê temperatura média um pouco mais baixa, mas, ainda assim, acima da média para as próximas duas semanas. Ambos modelos apontam seca nas próximas duas semanas. Apesar do cenário, isso ainda não preocupa tanto, tendo em vista que o estado semeou apenas um terço do esperado, tanto de milho quanto de soja.

No Paraná, após as fortes chuvas registradas no fim de outubro e início de novembro, não houve precipitação nos últimos dias. O ECMWF mostra  pouca chuva para as próximas duas semanas, mas o GFS aponta volta de volumes acima da média no início da segunda quinzena do mês.

No Rio Grande do Sul ainda há previsão de alta precipitação. Considerando desde o início de setembro, o acumulado está próximo do nível mais alto dos últimos 30 anos, muito similar ao ano de 1997, quando o El Niño teve forte atuação. A previsão dos modelos ECMWF e GFS aponta alto volume de chuvas para os próximos dias. A chuva acima da média pode impactar a reta final do ciclo do trigo, tanto na disseminação de doenças quanto na qualidade do grão e, também, pode dificultar o progresso do plantio da safra de verão no estado.

 

Sobre EarthDaily

A EarthDaily Analytics Corporation (EDA), com sede em Vancouver, é uma empresa de software e análise espacial. Por meio de sua subsidiária EarthDaily Agro, a EDA tem um histórico de 35 anos como líder em análise de dados de valor agregado para o setor agrícola. Desenvolvido por uma equipe de especialistas da indústria espacial e cientistas de dados, a próxima Constelação de satélites da EarthDaily levará a detecção de mudanças globais a níveis avançados. Com previsão para entrar em atividade em 2024, a Constelação da EarthDaily operará em conjunto com o EarthPipeline, o primeiro pipeline a fornecer dados de observação da Terra de nível científico cobrindo todos os lugares, todos os dias. Com isso, a EDA irá atender a diversas aplicações em agricultura, recursos naturais, infraestrutura, mudanças climáticas, segurança nacional e marítima, finanças e seguros e ESG.

Check Also

BOMBA: Governo Lula alterou dados da Previdência para reduzir projeção de despesa em R$ 12 bi

Créditos: Shutterstock O governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) realizou uma mudança de …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *