Sem citar nome, Dino ‘parte para cima’ e rebate Benjamin Netanyahu

O ministro Flávio Dino, da Justiça e Segurança Pública, rebateu críticas de que a Mossad, o serviço secreto de Israel, teria controlado as investigações da Polícia Federal que levaram à prisão dois suspeitos de planejarem atos terroristas nesta quarta (8).

As críticas surgiram após o gabinete do primeiro-ministro israelense Binyamin Netanyahu afirmar que “os serviços de segurança brasileiros, juntamente com o Mossad”, e outras agências de segurança internacionais, “frustraram um ataque terrorista no Brasil, planejado pela organização terrorista Hezbollah, dirigida e financiada pelo Irã”. “O Mossad continuará operando para prevenir esses ataques onde e quando for necessário”, completou.

Dino disse, na manhã desta quinta (9), queacordos internacionais permitem que exista uma cooperação jurídica e policialde modo amplo, com “países de diferentes matizes ideológicos”. Mas, que, emnenhum momento, há uma relação de subordinação entre uma autoridade e outra.

“Nenhuma força estrangeira manda na Polícia Federal do Brasil. E nenhum representante de governo estrangeiro pode pretender antecipar resultado de investigação conduzida pela Polícia Federal, ainda em andamento”, afirmou em uma nota publicada nas redes sociais.

Ainda segundo o ministro, a análise de indícios em relatórios internacionais é feita pelos delegados da Polícia Federal, submetendo pedidos ao Poder Judiciário brasileiro. E que os mandados cumpridos na investigação sobre a possibilidade de atos de terrorismo foram decorrentes de decisões da Justiça.

Flávio Dino enfatizou que, se há indícios, édever da Polícia Federal investigar para confirmar ou refutar as hipóteses. Aconduta da autoridade, diz, é guiada exclusivamente pelas leis brasileiras, semenvolvimento em conflitos internacionais, e não cabe à instituição analisar temasde política externa.

“As investigações da Polícia Federal começaram antesda deflagração das tragédias em curso na cena internacional”, ressaltou oministro em referência à guerra entre Israel e o grupo terrorista Hamas, que jáse prolonga há mais de um mês.

Apesar de afirmar que aprecia a cooperação internacional, Dino repudiou a alegação de que autoridades estrangeiras dirijam os órgãos policiais brasileiros ou usem investigações para fins políticos. Ele afirmou, ainda, que a Polícia Federal apresentará, no momento legalmente oportuno, os resultados da investigação ao Poder Judiciário brasileiro, baseados em análises técnicas e provas examinadas “exclusivamente pelas autoridades brasileiras”.

A Operação Trapiche, desencadeada pela PF na quarta (8), prendeu dois brasileiros suspeitos de terem sido aliciados pelo grupo terrorista Hezbollah, que tem se oposto a Israel no conflito contra o Hamas. As investigações apontam que eles estariam planejando ataques contra edifícios da comunidade judaica no Brasil, principalmente sinagogas.

Outras duas pessoas com dupla nacionalidade sãoinvestigadas no Líbano pela Interpol a pedido das autoridades brasileiras.

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) afirmou que a prisão dos suspeitos de ligação com o Hezbollah gerou “enorme preocupação”, e que o “terrorismo, em todas as suas vertentes, deve ser combatido e repudiado por toda a sociedade brasileira”.

Gazeta do Povo

FONTE: terrabrasilnoticias.com

Check Also

Anvisa proíbe marca famosa de shampoo e exigiu retirada das prateleiras

Foto: Reprodução/ Internet A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é uma entidade governamental brasileira …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *