Último sobrevivente da final da Copa de 1958 morre aos 89 anos

O sueco Kurt Hamrin é até hoje o maior artilheiro da história da Fiorentina

O atacante Kurt Hamrin, vice-campeão com a Suécia na Copa do Mundo de 1958 e maior artilheiro da história da Fiorentina, morreu aos 89 anos, informou a Federação Sueca de Futebol neste domingo (4).

Hamrin, apelidado de “Passarinho” pela velocidade e habilidade que demonstrou como ponta, ajudou a Suécia a chegar à decisão do Mundial de 1958 com quatro gols no torneio e foi o último jogador sobrevivente da final, quando seu país perdeu por 5 a 2 para o Brasil de Pelé.

“Um dos maiores ícones do futebol sueco nos deixou. Descanse em paz, Kurt “Kurre” Hamrin”, disse a Federação Sueca.

“Ele é uma lenda tanto no AIK quanto na Fiorentina por suas contribuições aos dois clubes. Obrigado Kurre por todas as memórias azuis e amarelas, descanse em paz.”

Hamrin começou sua carreira no AIK, na Suécia, mas é mais lembrado por sua passagem pelo futebol italiano, atuando em equipes como Juventus, Padova, Fiorentina, Milan e Napoli, e é o nono na lista de maiores artilheiros de todos os tempos da liga, com 190 gols.

Ele passou oito temporadas na Fiorentina, ajudando a equipe a conquistar a Recopa Europeia em 1961, o único grande troféu europeu do clube, e é o maior artilheiro da história da Viola com 208 gols.

Embora Hamrin tenha jogado mais tarde pelo Milan, vencendo o título da Serie A e uma Champions League, e encerrando a carreira na Suécia, ele voltou a Florença para morar com a família, onde morreu em sua casa na cidade que o adorava.

CNN

Check Also

URGENTE: em pesquisa AtlasIntel, Pablo Marçal já ultrapassa Tabata e aparece em terceiro colado em Nunes; veja números

Guilherme Boulos, deputado federal e pré-candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSOL, lidera as …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *